Teoria da Deriva continental de Alfred Wegener

Essas teorias tentam explicar como ocorreu a movimentação dos continentes nos últimos 250 milhões de anos, a partir do supercontinente Pangeia.

A crosta terrestre está em constante movimentos. Em 1912, o cientista alemão Alfred Wegener, desenvolveu a teoria da deriva dos continentes. Após observar que havia uma certa semelhança entre os contornos doa litorais da América, África e Europa, e nas composições das rochas, Wegener propôs que a cerca de 200 milhões de anos, os continentes estavam todos juntos, formando um único bloco, chamado de Pangéia, que começou a s fragmentar-se com o surgimento de fendas ou fraturas e com o tempo, os fragmentos se afastarão formando os continentes.

Em função da deriva continental e da expansão dos fundos oceânicos, fenômenos decorrentes do movimento das placas tectônicas , foi dividido em dois: a Laurásia e a Gondwana, que mais tarde, deram origem aos continentes como atualmente os conhecemos.

A teoria da deriva dos continentes, foi contestada por vários geólogos. Apenas Arthur Holmes apoiou essa teoria, em 1928 elaborou, a hipótese da expansão dos fundos oceânicos, que se baseou nos movimentos de convenção do magma na astenosfera, camada que fica embaixo da crosta terrestre. Segundo Holmes, o movimento circulatório do magma empurraria os continentes.

Em 1967 a hipótese de Holmes foi confirmada por Jansom Morgan. Os fundos oceânicos estão deslocando-se a partir das dorsais, que são cordilheiras situadas na porção central dos oceanos. Verificou que as idades das rochas dos fundos oceânicos aumentam à medida que se distanciam das dorsais, ou seja, quantos mais próximas dos continentes, mais antigas são as rochas

Depois dessa constatação concluíram que o envoltório da Terra (crosta) é descontinua e fragmentada em vários blocos, que são os continentes e os assoalhos dos oceanos. Cada bloco é correspondente a uma placa tectônica, que se movem no movimento de convecção do magma. A teoria da deriva dos continentes foi substituída pela teoria da tectônica de Placas . .

Comentários